Publicações

A Dispraxia na Infância

 Sergio Duarte Junior

Giovanna Piccoli

A dispraxia pode ser considerada uma disfunção neurológica que afeta o controle, a coordenação e o planejamento de um ato motor. Dentro de alguns limites é considerada uma característica do desenvolvimento da criança, porém, pode evoluir causando prejuízos na execução das atividades de vida diária caracterizando-se como um distúrbio.  De acordo com a predominância das alterações, as dispraxias podem se subdividir nos tipos verbal, postural, motora e espacial. Podem ter sua origem dentro do desenvolvimento da criança, mas também podem ser adquiridas como nas lesões do sistema nervoso central.   É comum que a ocorrência de sintomas dispráxicos na criança simule alterações de alguns transtornos, como os transtornos específicos da aprendizagem ou os transtornos da fala, mas também pode se relacionar intimamente com eles. Na dispraxia global, por exemplo, a criança pode ter uma dificuldade de coordenar os movimentos dos membros superiores (braços, mãos e cabeça), dos inferiores (pernas e pés) com o tronco. Pode-se ter a impressão que a criança é “desajeitada”, “desastrada”, como consequência ela pode cair, tropeçar (com ou sem objetos) ou derrubar coisas passando a impressão de ser displicente. No contexto escolar algumas manifestações mais específicas podem ser identificadas:

- produção escrita mal organizada na página;

- dificuldades para traçar certas letras;

- imprecisão para segurar o lápis;

- caligrafia ilegível e com dificuldades, de um modo geral;

- dificuldade na codificação de letras e de números;

- dificuldade na aprendizagem da matemática.

Isto, por si só, revela a importância de um exame detalhado, pois tais alterações podem ser facilmente confundidas com transtornos da aprendizagem, por exemplo, causando acentuado desconforto na criança em sua adaptação à rotina escolar.

Outra importante apresentação da dispraxia é a sua forma verbal. A dispraxia verbal, ou da fala, se caracteriza por uma condição em que se observa a dificuldade ou impossibilidade de mover a boca ou língua para falar. É considerada uma desordem motora da fala, evidenciada especialmente por alterações na sequência dos movimentos voluntários necessários para a expressão. Em determinado momento, o indivíduo produz um determinado som de maneira correta, contudo, após isso, pode vir a não reproduzi-lo.

Dispraxia Verbal na Infância

A dispraxia verbal pode ocorrer em qualquer idade. A dispraxia adquirida durante a vida adulta afeta a capacidade de fala prévia do indivíduo. Já a dispraxia de desenvolvimento, que ocorre na infância, está presente desde o nascimento e prejudica a capacidade da criança em formar palavras e sons.

Alguns autores ainda classificam a dispraxia verbal na infância como um subtipo de Distúrbios Específicos de Linguagem. Assim, as crianças apresentam uma compreensão normal ou próxima disto, contudo demonstram prejuízo grave na organização articulatória dos sons para a fala, não melhorando em tarefas de repetição. Em alguns casos mais severos as crianças não falam. Vale ressaltar que há uma diferença entre a dispraxia verbal e o atraso da fala durante o desenvolvimento infantil. O atraso da fala ocorre quando a criança não segue a trajetória esperada (típica) da aquisição da expressão oral em relação a outras crianças de sua mesma faixa etária. Os erros são geralmente consistentes, ou seja, alguns mesmos sons são frequentemente alterados, omitidos, distorcidos ou substituídos.

A dispraxia, em suas diferentes formas, pode afetar o desenvolvimento da criança com magnitude suficiente para prejudicar o desempenho nas atividades de vida diária. Não só na execução da rotina escolar, mas para além desta, a criança pode apresentar considerável desconforto emocional por se perceber com dificuldades ou até mesmo inábil nas atividades em que é solicitada. Uma avaliação detalhada, com tratamento específico, pode contribuir para a estimulação e desenvolvimento das habilidades neuropsicológicas, motoras, emocionais e sociais melhorando a qualidade de vida da criança e sua família.

Voltar