Publicações

NeuroPsicologia

A Neuropsicologia Clínica se ocupa da investigação e do tratamento dos processos envolvidos no funcionamento cognitivo para mensurar o potencial das funções cognitivas, tais como, diferentes sistemas de memória, atenção, linguagem, orientação, percepção, dentre outras. A Neuropsicologia apresenta ferramentas para o  conhecimento sobre o comportamento humano, o funcionamento da emoção e da cognição.

Avaliação Neuropsicológica

A Avaliação Neuropsicológica (AN) é um exame diagnóstico das funções cognitivas e sua interação com o comportamento e as emoções humanas. O teste é realizado em algumas consultas. Em geral, cada sessão dura de 50 minutos a 1 hora. O número de sessões depende da bateria de instrumentos necessária para a avaliação. A realização do teste pode ocorrer no âmbito hospitalar, domiciliar ou no consultório. Acompanha a aplicação dos instrumentos as entrevistas com o paciente e os familiares ou cuidadores, entrevistas com o paciente e os familiares ou cuidadores. Ao final da investigação tem-se o resultado do exame neuropsicológico, relatado em laudo, tem com isso o perfil neuropsicológico do paciente no período da investigação.

Reabilitação Cognitiva

A Reabilitação Cognitiva (RC) consiste na busca da recuperação, da redução ou da compensação dos déficits cognitivos, comunicativos e comportamentais adquiridos pós-lesão neurológica. Também é realizada nos pacientes que sofrem por processos neurodegenerativos. As ações e técnicas estão baseadas nos princípios da neuroplasticidade.

Quais são as principais linhas de Reabilitação Cognitiva

A RC envolve 3 linhas principais:

(a) Reabilitação Clínica (lingüística, motora e cognitiva): trabalhada com o paciente muitas vezes por meio do treino cognitivo;

(b) Reabilitação sócio-afetiva e emocional: envolve possibilidades de reinserção do paciente no âmbito sócio-cultural e familiar; e

(c) Reabilitação vocacional: possibilidade de retorno aos estudos ou ao ambiente de trabalho, podendo também existir descoberta de uma habilidade para exercer nova atividade.

O que é a Casa Bitácora?

A Casa Bitácora foi criada especialmente para o Programa de Reabilitação Cognitiva, para replicar os ambientes que temos em uma casa. Nesses espaços são desenvolvidas atividades para estimular e treinar habilidades cognitivas dos pacientes. A ideia é reproduzir situações que vão auxiliar na reaquisição ou aprendizado de habilidades cognitivas que auxiliam na vida diária dos pacientes neurológicos.

O que são Grupos de Orientação a Familiares e Cuidadores

Dada a importância dos cuidadores no processo de Reabilitação Neuropsicológica (RN) e as complicações por estes enfrentadas, faz-se necessário diminuir o impacto da atividade de cuidado na qualidade de vida do cuidador. A Bitácora a partir dessa realidade oferece grupo de apoio e psicoeducação para cuidadores/familiares desses pacientes, oferecendo abordagens que englobem a perspectiva do cuidador, tornando-o mais apto aos cuidados e desenvolvendo maior qualidade de vida.

TRANSTORNOS

O que são Transtorno da Comunicação?

Os transtornos da comunicação consistem em um conjunto de condições   neurodesenvolvimentais que afetam a fala e/ou a linguagem, com início no período de desenvolvimento precoce. É possível observar dificuldades significativas antes da criança ingressar na escola e são caracterizados por déficits que exercem impacto importante no funcionamento pessoal, social, acadêmico e ocupacional dessas pessoas.

Quais os tipos de Transtornos da Comunicação?

Os mais recorrentes são: Transtorno da Linguagem; Transtorno da Fala; Transtorno da Fluência com Início na Infância (gagueira); Transtorno da Comunicação Social (Pragmática). Déficits no desenvolvimento e uso da linguagem, Discurso e comunicação social caracterizam as três primeiras condições.

Problemas de leituras também podem ser disfunções neuropsicológicas?

Dificuldades na aquisição de leitura e escrita alfabética podem ocorrer em virtude de fatores ambientais e constitucionais da criança, os quais interagem em diferentes níveis. Por exemplo, a impossibilidade de aprender as relações entre grafemas e fonemas - que constitui o foco do método de alfabetização fônico - pode ser considerada um dos fatores ambientais que prejudicam o desenvolvimento da criança. Por outro lado, as dislexias do desenvolvimento, os distúrbios do sistema vestibular, os distúrbios de processamento auditivo central, os distúrbios de déficit de atenção e hiperatividade, entre outros, são fatores constitucionais que também afetam a aquisição da linguagem escrita.    

O que são Transtorno Específico da Aprendizagem?

Transtorno do Neurodesenvolvimento, com origem biológica constituindo a base das alterações cognitivas e suas respectivas manifestações comportamentais. Tal origem biológica inclui a interação de fatores hereditários com o contexto ambiental que acabam por influenciar a forma como o cérebro processa e percebe as informações.

Quais características podem ser identificadas numa criança com dificuldade de aprendizagem?

Para o diagnóstico são identificados prejuízo na leitura, na expressão escrita e no desenvolvimento do raciocínio em exercícios de matemática. O principal requisito quando pensamos nos sintomas de TEAp é a permanência da dificuldade por pelo menos seis meses após o uso de intervenções específicas nas disfunções.

Como identificar dificuldade de aprendizado antes do período escolar?

Antes mesmo de iniciar o período escolar, frequentemente, mas não sempre, é possível identificar entre o repertório de habilidades da criança atrasos no desenvolvimento da atenção, da linguagem e das habilidades motoras capazes de persistir e ocorrer simultaneamente ao TEAp. Isto se relaciona com as diferenças no potencial para executar ações: a criança é um excelente desbravador eletrônico, com conexões de cabos de aparelhos e interações online, porém, com leitura lenta e dificuldade de compreender o que é lido.

As habilidades cognitivas podem interferir no aprendizado?

O processo de avaliação das habilidades cognitivas é crucial para compreender o mecanismo da aprendizagem posto que não há um ponto de corte, dentro da variação normal do desempenho acadêmico, que indique o transtorno. A síntese do desenvolvimento do indivíduo considerando a história clínica (alterações na visão, audição, síndromes genéticas, marcadores neurológicos, buco-maxilo-faciais, fonoaudiológicos, psiquiátricos, cognitivos etc), a história familiar e a história educacional devem ser consideradas durante o diagnóstico.

A avaliação neuropsicológica também pode ser usada nos casos de dificuldade na aprendizagem?

Sim. A Avaliação Neuropsicológica do TEAp, cuidadoso exame com bateria de instrumentos devidamente calibrados, é capaz de apontar a forma e o curso dos processos, em vias de desenvolvimento ou já desenvolvidos, de leitura e escrita que formarão a base para a vida acadêmica. Através do uso de testes padronizados, tarefas que buscam ativar determinadas funções neuropsicológicas, além de escalas, entrevistas com familiares e professores, relatórios escolares e documentos clínicos o Psicólogo, oportunizará o delineamento das facilidades e dificuldades constituindo um perfil neuropsicológico da criança e adolescente.

Como a avaliação neuropsicológica pode ser associada à aprendizagem?

Durante o processo de avaliação dos transtornos da aprendizagem são avaliados; o acesso aos sistemas de memória (memória visual e verbal), sistemas atencionais (subtipos de atenção), habilidades aritméticas, pragmáticas, prosódicas, perceptivas, práxicas, linguagem oral e escrita (produção e compreensão), desenvolvimento motor, flexibilidade cognitiva e fluências (verbal e gráfica) que, juntos, acabam por evidenciar o potencial intelectual. Características do desenvolvimento emocional também são consideradas ainda que não sejam o foco do processo de avaliação.

Problemas de aprendizagem ao longo da vida escolar

A identificação precoce de dificuldades na aprendizagem é útil, também, para compreender e até mesmo evitar disfunções emocionais, comportamentais e sociais impactando não só o núcleo familiar, mas a auto imagem enquanto sujeito em formação. Ações de prevenção envolvendo o monitoramento da aquisição das habilidades de aprendizagem durante os anos escolares são desenvolvidas buscando identificar o status do processamento cognitivo, além do desenvolvimento constante de tecnologias para a estimulação neuropsicológica.

DEMÊNCIAS

O que são Demências?

As demências são doenças neurodegenerativas que atingem idosos, causando prejuízos cognitivos, alterações comportamentais e prejuízo nas atividades de vida diária.

A Demência de Tipo Alzheimer

A Demência de Tipo Alzheimer é a causa mais comum de demência. As manifestações cognitivas mais comuns nesta demência são dificuldades de memorizar fatos e eventos novos, bem como, de orientar-se tempo e no espaço. Com o avançar da doença podem surgir alterações de comportamento e dificuldades de linguagem.

A degeneração cerebrovascular pode afetar idosos porque o cérebro nessa fase da vida sofre lesões decorrentes neurovasculares. A manifestação dessa doença depende das áreas em que ocorrem as lesões. Mas, algumas manifestações são comuns como lentificação do processamento cognitivo e redução da capacidade atencional devido a perda de conectividade dos cérebro.

Demência de Corpos de Levy

Os pacientes neste caso apresentam dificuldades de memória e uma oscilação do desempenho. Mas, muito cedo, na doença podem apresentar alucinações visuais e alterações na marcha (caminhada).

Demência Fronto-temporal

A demência devido a degeneração fronto-temporal causa lesões no cérebro em áreas que regulam o comportamento e que mantém a linguagem. Curiosamente, esses pacientes não apresentam uma alteração de memória episódica, porém podem se tornar agressivos, hipersexualizados ou então não conseguir dizer o nome de um lápis que está na sua frente.

Qual o papel da avaliação neuropsicológica nos casos de demência?

A avaliação neuropsicológica é fundamental no processo diagnóstico de qualquer uma  dessas demências e muito importante para projeção do tratamento desses pacientes. Na avaliação neuropsicológica são quantificadas as dificuldades de memória, atenção, linguagem sendo estabelecido um estabelecido um perfil cognitivo do paciente. Esse perfil, na maioria dos casos, auxilia a detecção do processo neurodegenerativo de base e embasa o processo de intervenção. A reabilitação nos estágios iniciais e mais leves envolve a estimulação das funções mentais preservadas.

O que é Comprometimento Cognitivo Leve?

Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) foi criado como uma classificação diagnóstica para aqueles idosos que tem desempenho abaixo do esperado nos testes cognitivos, mesmo quando ajustamos os resultados a sua idade e escolaridade.

Voltar